quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Masturbação é Pecado?

Definimos masturbação como sendo a auto-satisfação provocada pelo contato das mãos com o órgão sexual, terminando em orgasmo, sem, contudo ter acontecido a relação sexual.
Não é uma indicação de distúrbio de personalidade, nem tampouco indício de distúrbio mental. Há algum tempo atrás os médicos condenavam a prática como algo prejudicial e até mesmo associada a desvios mentais. Talvez a medicina chegasse a tal conclusão ao observar que alguns pacientes mentais entregavam-se obsessivamente a masturbação. O problema da masturbação é tão velho quanto à natureza humana. O registro histórico da desaprovação do ato remonta ao tempo do “Livro dos Mortos” dos antigos egípcios, que data de 1550 a.C. Pelo código moral dos antigos judeus ortodoxos, era considerado um dos pecados mais graves. Em 1770, foi considerada uma das causas da loucura, e responsável por “encolhimento do cérebro”. O remédio sugerido na época foi uma dieta especial e banhos frios. Atualmente os médicos não consideram a prática prejudicial, a menos que provoque ansiedades ou depressão.
A nova escola de pensamento insinua que a masturbação é um ato natural que deve ser aprovado e até mesmo encorajado. A igreja ainda tenta evitar uma confrontação aberta sobre este assunto. Nosso silêncio tem prejudicado milhares de jovens cristãos. Temos sido covardes, omissos, cômodos e prejudiciais através do nosso silêncio. A masturbação não é um dom divino para que o indivíduo possa liberar o impulso sexual. Não é um ato normal e não é sancionado pela Bíblia Sagrada. A Bíblia não contém nenhum texto específico esclarecendo esse assunto, porém analisando o contexto sagrado entendemos ao pé da letra que a prática da masturbação é pecado e aquele que a pratica pode perder a sua salvação.
Faço a seguinte pergunta neste artigo: porque como cristão não posso masturbar-me? Respondo:
(1) porque a masturbação torna-se uma fuga da realidade da vida;
(2) porque a masturbação cria sentimentos de culpa e de inferioridade causando derrota espiritual;
(3) porque a masturbação torna-se um hábito ao ponto, de exercer controle sobre o individuo;
(4) porque a masturbação nos leva ao pecado de cobiça (Ex 20.17; Mt 5.28);
(5) porque a masturbação viola a consciência na área da liberdade cristã (Rom 14).
Para se ter vitória sobre a prática da masturbação, aconselho o leitor a esquecer-se de tudo o que você tenha feito no passado, a parar de fazer promessas a si mesmo, a Deus ou a seus pais, se estes o apanharem no ato; a lembrar-se de que você não é um(a) tarado(a), um impuro e muito menos um maníaco pelo fato de ter-se masturbado; desfaça-se de tudo que leve você a essa prática como: revistas pornográficas, filmes eróticos, sites da internet, etc.; procure não ficar desocupado, passe mais tempo lendo a Bíblia e leia bons livros, lembrando-se de que “mente desocupada é oficina do diabo”. Se cair na prática, confesse a si mesmo e a Deus, esqueça o acontecido e siga em frente.
Deus não quer que você fique fazendo promessas de parar. Não é desejo dele que você lute sozinho nessa batalha. Ao invés de sentir-se envergonhado e culpado, levante a cabeça e diga a si mesmo: “está certo, errei, mas vou prosseguir, vou conseguir superar isso, não estou amarrado, vou lutar até me libertar completamente”. Com oração e um pouco de esforço o hábito de se masturbar será substituído por outras práticas edificantes. Deus entende o problema e sabe por que você o pratica. Não se condene mais. Levante a cabeça e tenha fé no seu Deus.
Pr. Sérgio Pereira

3 comentários:

Amanda disse...

Pastor, não é necessario confessar a igreja? Estou desesperada!

paulohenrique disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
junymn disse...
Este comentário foi removido pelo autor.